CULTURA AFRICANA TRADIÇÃODE RELIGIÃO

Dear, we conducted with all kinds of religious work throughout the country.
We work with: divination, all spells, protection spells, for all the purposes.
Contact us at our Email: CULTURAYORUBA3@GMAIL.COM.
________________________________
Estimado, hemos llevado a cabo con todo tipo de trabajo religioso en todo el país.
Trabajamos con: adivinación, todos los hechizos, hechizos de protección, para todos los propósitos.
Póngase en contacto con nosotros en nuestro correo electrónico: CULTURAYORUBA3@GMAIL.COM
---------------------------------------------
Por favor, deixe seu comentário em nosso Blogger.
__________________________
Please leave your comment on our Blogger.
---------------------------------------------
Por favor, deje su comentario en nuestro Blogger.

domingo, 4 de dezembro de 2016

IFA- ATENDIMENTO COM BABALAWO DA NIGERIA, ILE-IFE.> NO RJ.


 Babalawo Oloye Akanni Awolowo Abiola Amore:
filho consanguíneo do Chief Agbogbo Amore Awo agbaye. 

(NIGERIA.ILE-IFE)

O Babalawo Awo Akanni Awolowo Abiola encontra-se no Brasil-Rj.
Realizamos diversos trabalhos espirituais, consultas,ebós , ebori, magias para todos os fins, egumgum, iniciação aos orisas, isefa, itefa.
contato-tel: 21 988028033. whatsapp. Robson Aládà Méjì






                                                       Ooni's Palace,Enuwa Ile-Ife. 





terça-feira, 2 de agosto de 2016

REVERENCIAR

Reverenciar
O ato de veneração ao sagrado E as coisas sagradas.
A reverência é um ato de respeito, atitude, pratica que deve se fazer valer diante do sagrado impostor por algumas religiões.
A inclinação da curvatura esta relacionado à diferença no grau de hierarquia, respeito ou gratidão.
Na Nigéria é comum as mulher reverenciar os homens; no ato da cerimônia de casamento yoruba os homens reverenciam a família da noiva se curvando.

Dentro da religião de matriz africana, é comum os iniciados reverenciar o sagrado, o que é imposto, e ao seu MESTRE "SACERDOTE" se curvado, e tomando a bênção em ato de respeito e gratidão".
O não cumprimento dos deveres religiosos mostra total falta de respeito.
Quem não está pronto a humildade religiosa e seus mandamentos não está pronto a receber as bênçãos.
A religião não deve se adequar ao ser humano, o ser humano que deve se adequar perante a religiosidade.







QUANDO ALGUMAS PESSOAS ESTÃO PRA ENTRAR NA RELIGIÃO SE MOSTRA HUMILDADE.. DEPOIS QUE ENTRA DESPRESA O ATO MAIS SIMPLES.
‪#‎PratiqueÉtãoSimples‬ ‪#‎RepsitoNãoSeCompra‬ ‪#‎HuldadeÉgratidão‬
By Baba Robson Ògún Aládà Méjì

segunda-feira, 11 de julho de 2016

RELIGIÃO PARA O BEM

 A Religião que tem como filosofia: Fazer o Bem.
Todo sacerdote tem a função de agir como um instrumento intermediário do sagrado com o ser humano, se entre a religiosidade tiver algo ligado ao malefício, é exclusivamente responsabilidade humana, que deixou o seu caráter agir como força maléfica.
A maioria das religião de matriz africana tem em seu DNA a força da natureza, e os quatro elementos que são elementos básicos na construção da matéria que são: Ar, Agua, Fogo e Terra.
O òrisa foi criado por Olodumare "Deus" e atua como anjo da guarda, auxilia o ser humano na Terra.
"O ser humano via prestar conta de tudo de mal que fizer na Terra"
By Baba Robson Ògún Aládà Aládà Méjì


domingo, 5 de junho de 2016

RESPEITO

Bom Dia 
Infelizmente existe pessoas em nosso ciclo de amizade que não respeita nossa religiosidade.
Eu canso em dizer: "Religião não forma caráter". 
"Religião: Caminhos diferentes com o mesmo objetivo, levar o ser Humano diate de Deus". 
Se você chega a deus por intermédio dos "Profetas" Jeová, Buda, Maomé... Eu vou a Deus por intermédio do Profeta da Religião dos Orisas que é "Orunmila"! 
Deus é único, o que muda são os profetas!
Se o seu livro é o alcorão, ou a bíblia... O meu livro é a conduta de ifa, narrado dentro dos "Odu ifa"!
Muitos dizem ser católico... será? Você é praticante ou simpatizante? Se você simpatiza, isso mostra que você não tem uma opinião formada!
Honro a Deus.. Tenho o orisa como meu anjo da guarda.
Minha Religião veio no navio negreiro, junto a violência, racismo,e ao sangue derramado... Nossa religião não podia ser praticada, nossos irmãos eram forçados a cultuar a religião dos oportunistas, desumanos.
A minha fé precisa ser repeitada... assim como eu respeito a sua.
Reso para que nossos descendentes possam cultuar nossos orisas e levar nossa religião aos ateus, e aos intolerantes.
‪#‎DeusÉPraTodo‬
Deus tenha piedade das pessoas que tem maldade no coração.
By Robson Aládà Méjì


terça-feira, 1 de setembro de 2015

Provérbios Yoruba

 Provérbios Yoruba






Provérbio:    Wọ́n ń pe gbẹ́nàgbẹ́nà ẹyẹ àkókó ń yọjú. (Wọ́n ń pe gbẹ́-ọ̀nà-gbẹ́-ọ̀nà ẹyẹ àkókó ń yọjú.)
Tradução:     Eles estão chamando sai para um carpinteiro e do pica-pau se apresenta.O Uso:           Não se deve pensar muito de um de capacidades.
Provérbio:    Tí omi ẹni ò bá tí ì tóni wẹ̀ á máa fi ńbọ́jú ni. (Tí omi ẹni ò bá tí ì tó ẹni wẹ̀ á máa fi ń bọ́ ojú ni.)
Tradução:     Se a quantidade de água que se tem é insuficiente para tomar um banho, usa-se a mesma para lavar o rosto.
O Uso:           Deve-se fazer o melhor do que se tem, com aquilo que possuimos, utilizando recursos da melhor maneira possivel.

Provérbio:    Awọ ẹlẹ́dẹ̀ ò ṣéé ṣe gbẹ̀du.
Tradução:     Não se usa o couro de porco para fazer o gbẹ̀du (um tipo de tambor).
O Uso:           Àyàn (tocador de tambor) não usa o couro de suíno para confeccionar o tambor. Certamente, alguns materiais                             não podem ser empregados em determinadas aplicações.

Provérbio:    Àgbà òṣìkà ń gbin ìyà sílẹ̀ de ọmọ rẹ̀. (Àgbà òṣìkà ń gbin ìyà sílẹ̀ de ọmọ rẹ̀.)
Tradução:     Um ancião perverso semeia sofrimento para seus filhos.
O Uso:           O caráter da pessoa, seja ela idosa ou jovem, muitas vezes e com toda certeza afeta o destino de seus filhos.

Provérbio:    Ogún ọdún tí ebí ti ń pa ọ̀gà, ìrìn-in fàájì ò padà lẹ́sẹ̀-ẹ rẹ̀. (Ogún ọdún tí ebí ti ń pa ọ̀gà, ìrìn-in fàájì ò padà ní ẹsẹ̀-ẹ rẹ̀.)
Tradução:     Por vinte anos que o camaleão passa fome, ele não abandonou sua maneira tranquila e digna de andar.
O Uso:           A pessoa digna continua com comportamento digno em qualquer situação. Não existe problema ou adversidade que possa fazer com que uma pessoa idonea altere sua maneira digna de viver.

Provérbio:    Ìlù kan ò tó Ègùn jó; bí a bá lù fún un a máa lu àyà.
Tradução:     Um tambor somente não é suficiente para Egun para dançar, se toca tambor para ele, ele também bate no seu próprio peito (para fazer ritmo).
O Uso:           Diz-se isso de uma pessoa que nunca está satisfeita com o que outros fazem para ela. Este tipo de pessoa sempre tem que fazer alguns ajustes. Conhece alguns  perfeccionistas?

Provérbio:    Aṣiwèrè èèyàn ló ń sọ pé irú òun ò sí, irú ẹ̀ pọ̀ ju ẹgbàágbèje lọ. (Aṣiwèrè ènìyàn ni ó ń sọ pé irú òun ò sí, irú ẹ̀ pọ̀ ju ẹgbàágbèje lọ.)
Tradução:    Apenas uma pessoa tola vai alegar que não há nenhum como ele; sua laia abunda.
O Uso:           Ninguém é indispensável. Utilizamos este provérbio para orientar as pessoas que se acham "pão-de-ló da festa" e que desprezam os outros a perceberem que nem sempre a percepcao delas e a mesma da do grupo q a cerca.

Provérbio:    Ikú ló mẹ́ja kákò. (Ikú ni ó mú ẹja kákò.)
Tradução:     É a morte que fez o peixe ficar dobrado.
O Uso:           Mudança ou crítica pode deixar um efeito marcante na vida da pessoa.

Provérbio:    Ìbínú lọbá fi ń yọ idà; ìtìjú ló fi ḿbẹ́ ẹ. (Ìbínú ni ọbá fi ń yọ idà; ìtìjù ló fi ḿbẹ́ ẹ.)
Tradução:     O rei tira sua espada por estar com raiva, e para não passar vergonha, decapita.
O Uso:           Deve pensar na consequência antes de agir pois uma vez que se inicia uma ação imprudente por impulso, ao se  concientizar depois de começar, muita vezes a pessoa errada continua no erro para não passar vergonha ou para evitar constrangimentos.    (muito bom este!)
Provérbio:    Ìgbà kan ń lọ ìgbà kan ḿbọ̀, ẹnìkan ò lo ilé ayé gbó.
Tradução:     Uma estação vai outro vem, uma pessoa não pode usar a terra para sempre.
O Uso:           Todos devem viver com cuidado, lembrando que ninguém fica neste mundo atual eternamente. O conselho dos anciãos nos faz ver que ninguém (nenhuma nação) consegue dominar o mundo perpetuamente. Isto nos leva a refletir que a maneira em que vivemos hoje reflete o tipo de mundo que deixaremos para posteridade. Como a arte q perdura por centenas de anos, assim nossos atos de agora serao avaliados pelas novas geracoes.

Provérbio:    Eku tí yóò pa ológìnní ò ní dúró láyé. (Eku tí yóò pa ológìnní ò ní dúró ní ayé.)
Tradução:     O rato que vai matar um gato não vai continuar na terra.
O Uso:           Como um cachorro não tem capacidade de matar um leão, é uma proposição arriscada para um rato arriscar uma tentativa de matar um gato mais forte e poderoso que ele.

Provérbio:    A kì í láhun k’á ní'yì. (A kì í ní ahun kí a ní iyì.)
Tradução:     Nós não podemos ser mesquinhos e ser querermos ser honrados por isso.
O Uso:          Como é que uma pessoa considerada pão dura poderia ser vista com respeito na sua comunidade? É de grande importância dar liberalmente para o bem da humanidade. Este provérbio simplesmente mostra a impossibilidade de ter essas duas coisas na mesma hora. Só pode ser uma ou outra.

Provérbio:    O kò bá òkun máwo, o ò bá ọ̀sà mulẹ̀; abẹ́rẹ́ ẹ-ẹ́ bọ́ sódò o ní o ó yọ ọ́. (O kò bá òkun mọ awo, o ò bá ọ̀sà mu ilẹ̀; abẹ́rẹ́ ẹ-ẹ́ bọ́ sí odò o ní o ó yọ ọ́.)
Tradução:    Você não fez nenhum pacto secreto com o rio e não entrou em aliança com o oceano, sua agulha cai no córrego (no mar) você propôs para a recuperar.
O Uso:          A menos que se disponha de meios extraordinários não se deve tentar o impossível. Se agulha cair na agua, sendo bem dificil de pegá-la, mais dificil ainda será tentar faze-lo sem a ajuda de Deus, e seria como uma "ousadia" até pensar em iniciar esta tarefa  (pode refrasear esta para dar ideia de que se alguém não tem QI, não deve propor a fazer coisa nova/extraordinária ... também, pessoa que não tem acordo com governo ou qualquer organização não pode f)

Provérbio:    Kékeré láti ń pa èèkan ìrókò, tó bá dàgbà tan ẹbọ ló máa gbà. (Kékeré ni a ti ń pa èèkan ìrókò, tí ó bá di àgbà tan ẹbọ ló máa gbà.)
Tradução:     É melhor domar/podar a raiz da árvore de Iroko cedo quando cresce pede sacrifício.
O Uso:           As mães iorubanas gostam de usar este provérbio para demonstrar como é importante começar a orientar as crianças desde infância.

Provérbio:   Ogun tí olójúméjì-í rí sá ni olójúkan-án ní òún ń lọ jà. (Ogun tí oní-ojú-méjì-í rí sá ni oní-ójú-kan-án ní òún ń lọ jà.)
Tradução:    A guerra que a pessoa com dois olhos evitou é o mesmo que a pessoa que tem um olho estar indo lutar.
O Uso:           Um comentário sobre pessoas que tentam façanhas que derrotaram seus superiores.

Provérbio:   Àgbájọ ọwọ́ la fi ń sọ̀yà, ọwọ́ kan o gbẹ́'rù dó'rí. (Àgbájọ ọwọ́ ni a fi ń sọ ọ̀yà, ọwọ́ kan o gbé ẹrù dé orí.)
Tradução:    A mão inteira é necessária para bater no peito, uma mão não pode levantar uma carga até a
O Uso:          Este provérbio enfatiza a importância de união. Como é tão difícil (para não dizer impossível) tentar usar uma mão para colocar uma mala pesada na cabeça, de
mesmo modo é aconselhável fazer

Provérbio:   Ibi tí a bá ń gbé la ti ń gbàwìn; à-rà-àì-san ni ò sunwọ̀n. (Ibi tí a bá ń gbé ni a ti ń gba àwìn; à-rà-àì-san ni ò sunwọ̀n.)
Tradução:    A casa (vizinhança) da pessoa é o lugar apropriado para comprar fiado, o ruim é comprar sem pagar.
O Uso:          Não há nada de errado em buscar ajuda das pessoas próximas a nós - família, amigo, vizinhos, etc, o que não deve se fazer é demonstrar falta de vontade de ser útil para as demais pessoas da comunidade.

Provérbio:   Ìbéèrè kì í jẹ́ kí ẹni ó ṣìnà; ẹni tí kò lè béèrè ní ń pọ́n ara ẹ̀ lójú.
Tradução:    Ato de perguntar (pelas direções) evita que uma pessoa se perde, a pessoa que se recusa a pedir se faz sofrer.
O Uso:          Quando pessoa se encontra num território desconhecido, ela deve procurar e aceitar ajuda dos que conhecem o local. Pessoa não deve ser tão arrogante ao ponto de não admitir que precisa de ajuda. Este serve para muitas situações. Por exemplo, estudante deve reconhecer quando tem dificuldade com uma matéria e buscar ajuda. Os adultos deve saber quando devem buscar apoio, até entre os que são mais jovens.

Provérbio:      Mànàmáná ò ṣé é sun iṣu.
Tradução:      Não pode assar inhame com relâmpago. O relâmpago não é apropriado para assar inhame. (literamente)
O Uso:            Muitos casos de ostentando falta a substância para apoiá-los.

Provérbio:   Oògùn tá a kò f'owó rà, ẹ̀hìn ààrò l'ó ń gbé. (Oògùn tí a kò fi owó rà, ẹ̀hìn ààrò ni ó ń gbé.)
Tradução:    A Medicina que não compramos (com dinheiro), vive por trás do fogão (acaba sendo colocado atrás do fogão).
O Uso:          Quando as coisas são adquiridas gratuitamente, as pessoas tendem a não apreciá-las. A propensão da natureza humana é de não dar valor às coisas exceto quando trabalham ou pagam por elas, mas quando as recebem de graça, sem esforco propria, muitas vezes não sabem valorizar.

Provérbio:    Kàkà kí ọmọ ó bẹ̀bẹ̀ ọ̀ràn, òmíràn ni kò ní-í ṣe mọ́.
Tradução:     Em vez de uma criança pedir desculpas pelo seu erro, a crianca não deve repetí-lo. Ela deve sim se proteger contra uma futura repetição.
O Uso:          Deve-se olhar para o futuro e não insistir em erros do passado(quando possivel e quando as pessoas que acham q nao cometem erros os cometem). Em vez de ficar cometendo mesmo erro por que sabe que este pode ser perdoado.

---------------------------------------------------------------
Provérbio:   Ayé ò lè yí padà kí ọ̀nà ilé di ọ̀nà oko.
Tradução:    O mundo não pode mudar de tal maneira que o caminho de casa se transforma na estrada para a fazenda.
O Uso:          Segundo este provérbio, os Yorùbá acreditam que existem certas coisas que não mudam, especialmente valores morais, são atemporais e não mudam com o tempo ou com a civilização.

Provérbio:   Ìbáà tínrín, okùn òtítọ́ kì í já; bí irọ́ tó ìrókò, wíwó ní ńwó.
Tradução:    Mesmo que seja frágil, o fio de verdade nunca quebra; mesmo que a mentira seja tão grande, forte ou sólida como uma árvore de Iroko, certamente cairá.
O Uso:          Com este provérbio, estamos falando, de um lado, da impossibilidade da continuação perpetual da mentira ou ato enganoso, e, de outro, o fato que a verdade sempre prevalecerá no final de tudo. Neste mundo onde existem muitos que ensinam que a cultura ioruba não tem diferência entre certo e errado, a verdade e mentira, este provérbio milenar demonstra que antes de "exploração" ocidental na África, nossos ancestrais acreditavam em e tinham conceito de certo e errado, bem e mal. Eu já ouvi dizer, aqui no Brasil, que "a mentira tem a perna curta".

Provérbio:     Lójú òpè, bí-i kọ́'lọ́gbọ́n dàbí ọ̀lẹ. (Ní ojú òpè, bí-i kí ọlọ́gbọ́n dàbí ọ̀lẹ.)
Tradução:      Para um ignorante, o sábio deve, antes de tudo, ser indolente.
O Uso:            A pessoa inútil deseja e sempre espera que os outros, que ela consideram mais inteligente, sejam como ela.

Provérbio:     Ìkòkò tí yóò jẹ ata, ìdí ẹ̀ á gbóná.
Tradução:      A panela que deseja comer o molho, sua base (a parte de baixo) ficará quente/vai primeiro passar por um fundo escaldado.
O Uso:            As coisas boas vêm somente após grande esforço ou sofrimento. Devemos persistir, sem perder esperança mesmo quando a batalha da vida se tornar muito dura e parece que não temos apoio de ninguém. Devemos continuar firmes, sabendo que depois de tempestade forte, teremos sossego e traquilidade inestimável.

Provérbio:    Ajè'gbedò  ń wẹ́'ni kún'ra. (Ajẹ ègbedò ń wá ẹni kún ara.)
Tradução:     Quem come inhame novo procura por mais gente para ter como aliado.
O Uso:            Normalmente, a pessoa que faz coisa errada procura maneira de convencer às outras pessoas para se juntarem a ela.

Provérbio:    Ẹni bá da'mi síwájú, á tẹ'lẹ̀ tútù. (Ẹni bá da omi sí iwájú á tẹ ilẹ̀ tútù.)
Tradução:     Quem joga água em sua frente, pisará no chão molhado.
O Uso:           Você encontrará o fruto das sementes que plantar hoje, seja o que for que você fizer hoje, você irá colher a recompensa no futuro, inclusive seus descendentes irão repartir os resultados, sejam eles bons ou ruins.

Provérbio:    Bí iná kò bá tán ló'rí/lá'ṣọ, ẹ̀jẹ̀ kì í tán léèékánná. (Bí iná kò bá tán ní orí/ní aṣọ, ẹ̀jẹ̀ kì í tán ní èékánná.)
Tradução:     Se os piolhos não acabam na cabeça (roupa) de uma pessoa, o sangue vai continuar nas suas unhas.
O Uso:            Antigamente as pessoas matavam insetos com as próprias mãos, neste caso, piolhos eram espremidos com unhas, portanto, se os piolhos não acabam na roupa ou na cabeça de uma pessoa isto quer dizer que enquanto as causas/raízes de problemas dela persistem, os problemas certamente continuarão. Se vice acaba com as raízes de problema, o problema em si também acaba.

Provérbio:   Àgbà kì í wà lọ́jà kórí ọmọ titun wọ́. (Àgbà kì í wà ní ọjà kí orí ọmọ titun wọ́.)
Tradução:    Enquanto um idoso está no mercado, a cabeça de um bebê recém-nascido não pode ser torcida ou quebrada.
O Uso:          Os anciãos não permitem que acontecimentos desagradáveis acontecem em sua presença. Um ancião (adulto) tem bastante experiência e conhecimento para lidar com todos os tipos de situações/problemas. Então, quando um ancião está presente num lugar, ele faz tudo para evitar que algo mal aconteça aos jovens que alí se encontram.

Provérbio:    Ẹni t'ó bá mọ̀'ṣe òkùnkùn, kó má dó'ṣùpá lóró; ohun a ṣe ní ń mú'ni-í rìn'de òru; òkùnkùn ò yẹ ọmọ èèyàn. (Ẹni tí ó bá mọ ìṣe òkùnkùn, kó má dàá òṣùpá ní oró;
ohun a ṣe ní ń mú ẹni-í rìn òde òru; òkùnkùn ò yẹ ọmọ ènìyàn.)
Tradução:     Quem conhece a obra das trevas não deve causar dano para a lua; o que fazemos leva a gente a andar de madrugada; escuridão não é bom para filho de homem (ser humano).
O Uso:           Mesmo se não necessitamos de lua no momento, não devemos fazer nada para destruí-la, pois um dia podemos vir a precisar andar de noite e assim precisaremos de sua luz. É importante não destruir algo só por que pensamos que não precisamos disto no momento. Este algo pode ter a ver com natureza e se relacionar com sentimentos como a amizade, relacionamento, etc.

Provérbio:    Òkùnkùn ò mẹ'ni ọ̀wọ̀; ó dí'fá fún “Ìwọ́ tá nìyẹn”? (Òkùnkùn ò mọ ẹni ọ̀wọ̀; ó dá ifá fún “Ìwọ́ tá nìyẹn”?)
Tradução:     A Treva não conhece quem merece respeito, que consultou o oráculo Ifá para "Quem é você?"
O Uso:           As pessoas que perambulam nas trevas não podem esperar ser tratado com deferência.

Provérbio:    Kí ẹrú mọ ara ẹ̀ lẹ́rú; kí ìwọ̀fà mọ ara ẹ̀ níwọ̀fà; kí ọmọlúwàbí mọ ara ẹ̀ lẹ́rú Ọlọ́run ọba.
Tradução:    Que a/o escrava/o se reconheça como tal, deixe que o peão se reconheça como um peão; deixe que a pessoa bem nascida saiba que ela é escrava de Deus (o rei).
O Uso:          Cada um deve conhecer a si mesmo, deve ter consciência de seu lugar dentro de contexto de sua história de sua vida. Quer dizer, deve se sentir bem em sua própria pele.

Provérbio:    Kàkà kọ́’mọdé pà’gbà lá’yò, àgbà a f’ọgbọ́n àgbà gbé e. (Kàkà kí ọmọdé pa àgbà ní ayò, àgbà á fi ọgbọ́n àgbà gbé e.)
Tradução:     Em vez de ser derrotado por uma criança num jogo, um idoso recorrerá a ardis (sutileza) de idosos.
O Uso:            Um ancião procura se proteger e se manter em pé utilizando todas as ferramentas disponíveis a ele. Espera-se que os anciãos, com sua experiência vivida saibam um pouco mais do que os jovens.

Provérbio:    Ìpa à ńpoṣè ara ló fi ńsan.
Tradução:     Nossa tentativa de matar a árvore de oṣè ela (a árvore de oṣè) só se torna mais gordo.
O Uso:            Na vida existem algumas pessoas que prosperar mesmo com a maldade de seu oponentes e injustiça praticada contra elas.

Provérbio:    Aláǹgbá kì í lérí àti pa ejò.
Tradução:     Um lagarto não promete que  vai matar uma cobra.
O Uso:            Não se deve propor o que não pode realizar. Pessoa não deve prometer o que não tem capacidade nem condição de fazer.

Provérbio:    Nítorí adití lò'jò fi ń ṣú; nítorí afọ́jú ló ṣe ń kù. (Nítorí adití ni òjò fi ń ṣú; nítorí afọ́jú ni ó ṣe ń kù.)
Tradução:     As nuvens se formam para o benefício das pessoas surdas, troveja para o benefício dos cegos.
O Uso:            O criador faz a natureza de uma forma que todos, mesmo com sua disabilidade, tem como perceber o perigo ou/e beleza ao seu redor. Uma pessoa com sabedoria consegue enxergar ou sentir muitas coisas que os despreparados jamais verão ou sentirão.

Provérbio:    Àlejò tó bèèrè ọ̀nà kò níí sọnù.
Tradução:     Um estranho/visitante que pede o caminho não vai se perder.
O Uso:            Sempre que é necessário, deve-se pedir ajuda, especialmente quando se encontra numa situação nova ou quando se trata de ambiente desconhecido.

Provérbio:    Olè tó gbé fèrè ọba ò róhun gbé.
Tradução:     O ladrão que roubou corneta do rei não encontrar nada (útil) para roubar.
O Uso:            É uma ideia tola rouba de uma pessoa renomada. Por exemplo, uma pessoa que rouba uma obra de arte num museu conceituado certamente não conseguirá mostrar em público.

Provérbio:    Adánilóró f'agbára kọ́ni. (A dá ẹni ní oró fi agbára kọ́ ẹni.)
Tradução:     Quem causa dor ou desgosto para uma pessoa,  ensina ela a ser mais forte.
O Uso:            Depois de passar por humiliação ou situação desagradável, a pessoa apreende a ser mais poderosa e auto-suficiente.

Provérbio:    A ní kó’lókùnrùn ṣe tó, ó ní òun ò lè ṣe tó, tò, tó. (A ní kí olókùnrùn ṣe tó, ó ní òun kò lè ṣe tó, tò, tó.)
Tradução:     Pedimos para uma pessoa doente dizer "tó", ela diz que não pode dizer "tó, tò, tó.”
Provérbio:    A ní kó’lókùnrùn ṣe tó, ó ní òun ò lè ṣe tó, èwo làbọ̀rọ̀ ṣe tó, tò, tó. (A ní kí olókùnrùn ṣe tó, ó ní òun kò lè ṣe tó, èwo ni àbọ̀rọ̀ ṣe tó, tò, tó.)
Tradução:     Pedimos para uma pessoa doente dizer "tó", ela diz que não pode dizer "tó, para que dizer tó, tò, tó.”
O Uso:            O pedido é de dizer apenas uma palavra mas esta pessoa "doente" gastou mais energia a toa em reclamar do que se tivesse feito o que pediram ela para fazer de início. Neste caso a pessoa teimosa diz a palavra mais de uma vez!

Provérbio:     Àbàtì àlàpà; a bà á tì, a bá a rẹ́.
Tradução:     Um muro abandonado, delapidado ou mal-acabado, sem podermos consertá-lo, devemos fazer amizade com ele (literalmente).
O Uso:           Quando não se consegue resolver conflitos ou quando não se pode controlar uma situação, deve aceitar a situação como ela é e não como queremos que ela seja. Se não tem poder sobre uma pessoa ou  uma situação, torne-se amigo da pessoa ou reconcilie-se com a situação que não pode controlar. Pode fazer aliança com o oponente mais poderoso.

Provérbio:    A kì í gbọ́n tó “Èmi lóni-í.”  (A kì í gbọ́n tó “Èmi ni ó ni í.”)
Tradução:     Não podemos ser mais sábios do que "eu sou o dono."
O Uso:           Uma pessoa não deve pensar que conhece ou entende mais sobre alguma coisa do que o próprio dono. É aconselhável não tentar ser mais inteligente sobre um assunto do que a pessoa que passou pela experiência.

Provérbio:     Kí ikú má pa ẹni tí ń dá'ni ló’ró, kí òrìṣà má jẹ̌ kí ǹkan ṣe ẹni tí ń ṣe ‘ni ní’kà, b'ó pẹ́ títí orí ẹni á dá ni lá’re. (Kí ikú má pa ẹni tí ń dá ẹni ní oró, kí òrìṣà má jẹ̀ kí ǹkan ṣe ẹni tí ń ṣe ẹni ní ìkà, bí ó pẹ́ títí orí ẹni á dá ẹni ní àre).
Tradução:     Que a morte não leve quem nos aflige, que òrìṣà não permite que qualquer mal acontece com quem fez maldade para a gente, pode levar tempo mas o orí da gente vai justifica a gente.
O Uso:            Este provérbio revela o psique dos iorubas em relação ao opressor e esperança de que os bons tenham que ter. Os iorubas não querem que os maus morram, eles até pedem que Deus proteja os maldosos pois tem esperança que um dia o orí (ẹlẹ́dàá - o criador) vai justificar (dar vitória) à gente. Podemos concluir que a tradição do povo ioruba é oposta à maldade para os maus, e consequentemente não se imagina que se permita fazer maldade contra os bons em primeira instância.

Provérbio:    Òwe lẹ’ṣin ọ̀rọ̀, bí ọ̀rọ̀ bá sọnù, òwe la fi ń wa (Òwe ni ẹṣin ọ̀rọ̀, bí ọ̀rọ̀ bá sọnù, òwe ni a fi ń wa).
Tradução:     O provérbio é o cavalo (o veículo ou guia) da palavra, quando se perde a razão da palavra, utilizamos o provérbio para achá-la.
O Uso:            Quando não conseguimos nos comunicar efetivamente somente por palavras, o povo ioruba utiliza provérbios e os que os entendem irão compreender não somente o significado, como também o espírito da palavra.

Provérbio:    À ì gbọ́’fá là ń wò’kè, ifá kan ò sí ńpárá  (À ì gbọ́ ifá ni à ń wò’kè, ifá kan ò sí ní párá).
Tradução:     Olhamos para cima (o teto) quando não se entende o que ifá diz, mas não existe Ifá no teto (ou na prateleira).
O Uso:            Quem sabe a solução para uma pergunta sabe e quem não está preparado para um teste pode olhar onde quiser, porque isso não traria ou ajudaria a achar a reposta ou solução.

Provérbio:    Ọwọ́ ọmọdé ò tó pẹpẹ, tàgbà ò wọ kèrègbè (Ọwọ́ ọmọdé ò tó pẹpẹ, ti àgbà ò wọ kèrègbè).
Tradução:     A mão de uma criança não consegue alcançar uma prateleira, a mão de um adulto não entra dento de um porongo (cabaça).
 




O Uso:           Tanto criança como adulto tem tarefas específicas e próprias para respectiva idade. Não se deve menosprezar nenhum tipo de trabalho nem se deve desrespeitar nenhuma pessoa em sua tarefa.

Provérbio:     Dídùn l’ó dùn tọ́’rẹ̀ẹ́ ḿbọ́’rẹ̀ẹ́ jẹ̀’kọ, ti’lé ogé tó’ge (é) jẹ (Dídùn ni ó dùn tí ọ̀rẹ́ ḿ ba ọ̀rẹ́ jẹ ẹ̀kọ, ti ilé ogé tó oge (é) jẹ).
Tradução:      É tão bom quando os amigos comem juntos, o que uma solteira tem em sua própria casa é suficiente para ela.
O Uso:            O fato de confraternizamos na casa dos outros ou nos inscrevermos numa sociedade não significa carência ou falta de outra coisa para nos ocupar. Fazemos o que temos que fazer por que julgamos que é bom para nos mesmos.

Provérbio:    Ojú ló pẹ́ sí akólòlò yóò pe baba (Ojú  ni ó pẹ́ sí akólòlò yóò pe baba).
Tradução:     Pode demorar mas um (menino) gago conseguirá chamar o pai (papai).
O Uso:           Na hora em que esperamos algo importante para nós, pode parecer longe mas receberemos o que almejamos ... atingiremos o nosso objetivo um dia, Pode demorar, mas chegaremos onde desejamos chegar. Devemos persistir.

Provérbio:    Ogún ọmọdé ò lè ṣe’ré f’ógún ọdún (Ogún ọmọdé ò lè ṣe eré fún ogún ọdún).
Tradução:     Vinte crianças não podem brincar por vinte anos.
O Uso:            As crianças, mesmo nesta era de rede social, nunca conseguirão brincar para sempre e sem limites.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Igunnuko:Cultural na Comunidade de Lagos







Igunnuko culto é um culto de Tapa de Pategi no estado do Níger da Nigéria. Foi trazida para baixo para Lagos por Yaisa Ayani, o bisavô de Aleje em 1805. Pessoas de Yaisa Ayani viram o que outras tribos faziam com seus próprios cultos durante um festival... e isto motivou-os a exercer pressão sobre o homem de ir e levar seu próprio culto, que é usado não somente para apresentações do festivais, mas também para apaziguar os deuses. Uma performance ritual é feita quando pressentem que um surto de alguma doença ou guerra está se aproximando.
Em 1814 Yaisa Ayani foi para sua cidade natal no estado de Pategi, Níger e trouxe o culto de Igunnuko para Lagos. Ele fixou-se primeiro em Odo-Oba (Oju-Oto), sua residência. Ele comprou alguns ingredientes com que alguns rituais foram realizadas; foi após esses rituais que começou a sair.
Mais tarde quando este lugar não pode acomodá-los novamente, Yaisa Ayani fui chefe Oshodi Tapa, um homem de Nupe e um chefe de guerra importante em Lagos, de recorrer a ele para dar-lhe um lugar para ser usado como 'Ibasoshi' Igbo-Igunnu qual chefe Oshodi Tapa com alegria deu a ele e que é conhecido como "IGBO-IGUNNU EPETEDO" até hoje. Foi deste lugar que Igunnuko culto espalhado por todo o dia moderno estado de Lagos. Este lugar também é conhecido como a origem de Igunnuko no estado de Lagos. De acordo com o chefe Sr. ª Ige Adubi Ayinde, tradicionalista (Aluwo de terra linda oliveira) e Sr. Sulaimon Ayinde (Maaji de linda oliveira Land), (chefe do culto Igunnuko) na área de Governo Local linda oliveira de Lagos, diz que o festival é realizado entre outubro e novembro de cada ano, e o festival dura quatorze dias. Quando é hora para o festival ou uma ocasião pede sua performance ritual, uma performance ritual é feita primeiro para o tambor de pote antes que alguém bate-lo.
Para realizar o festival ou cerimônia ritual, a seguir é necessária: – um cabra nativa, pato, pombo, caracol, galinha, galo, tartaruga preta, lã de algodão, cabaça, kolanut, kolanut amargo, vinho nativo, bebida quente, três metros de pano branco e alguns outros itens úteis. O festival começa quando todos estes estão prontos. Os homens jovens e velhos (sozinhos) vai para arrancar uma árvore viva. Isso é chamado de 'kuso' e quando eles estão voltando de kuso, qualquer lugar que árvores são arrastadas ou passadas com significa muito.
Quando o festival, os bailes de máscaras de Igunnuko são vistos. O Igunnuko vestidos de vestes e passeios em pernas de pau; é uma figura muito alta e é também um culto secreto, usado para caçar bruxas. Ela desfila pelas ruas e visitas a pessoas importantes. Na mira de um Igunnuko deve-se remover o chapéu e sapatos. A forma alta, graciosa dos bailes de máscaras, sua habilidade de telescópio em tudo em qualquer altura e seu outra incrível demonstração de agilidade, apesar de sua altura, fazer estes bailes de máscaras e seu desempenho uma vista fascinante.Isso era tudo o que teve lugar na comunidade.









quinta-feira, 17 de abril de 2014

DESENVOLVENDO IFA

Em novembro de 2005, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência ea Cultura) proclamou Ifá como um dos 86 tradições do mundo a ser consideradas como obras-primas do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade. UNESCO, em seguida, ordenou a todas as nações e povos do mundo para dar o seu apoio inabalável a essas tradições, para que eles não iriam perecer.

O Instituto do Patrimônio Ifá é uma instituição pós-secundária em Oyo Town, estado de Oyo, na Nigéria, patrocinado em parte pela UNESCO e aprovada pelo Governo Federal da Nigéria. O objetivo do Instituto é a preservação e propagação de Ifá como um corpo Africano indígena do conhecimento dentro das configurações de um sistema educacional moderno e contemporâneo.

Nos últimos três anos, o Instituto do Patrimônio Ifá tem desenvolvido programas de Ifa e outros aspectos da cultura Yoruba, e ensinou esses programas com sucesso para três conjuntos de alunos, dois conjuntos de que já se formaram


 1.Department de Estudos Ifá A vastidão do conhecimento contido dentro do sistema de adivinhação Ifa é quase incompreensível. Neste departamento, os alunos serão ensinados os rudimentos de Ifá adivinhação, concentrando-se especialmente no canto e interpretação de histórias Ifá. Nós gostaríamos de preservar a oralidade de Ifá; portanto, o foco principal da Faculdade de Estudos Ifa é a memorização oral de Ifá versos literários ea interpretação do mesmo. Há 256 Odù de Ifá. Cada Odù contém 800 histórias, produzindo um total de 204.800 histórias que tratam de diferentes aspectos da mitologia iorubá, história, medicina, filosofia e outras idéias. Cada Odù pode ser considerado como um "livro" oral ou não escrita deste compêndio do conhecimento. Os alunos irão aprender versos de cada um dos 256 Odu, seus significados e aplicação prática.

2.Department de Línguas As línguas a serem ensinadas neste departamento são Yoruba, Inglês, Espanhol, Português e Francês. Este departamento vai se concentrar em ambas as formas orais e escritas da língua iorubá para que os alunos que concluírem o programa seria capaz de falar a língua iorubá muito bem e também ser muito letrado no assunto. O idioma Inglês também não vai ser negligenciada. A necessidade de incluir Português e Espanhol é porque estas são as duas línguas que os muitos milhões de pessoas Yoruba na diáspora falam, especialmente em Cuba e no Brasil. Claro, todos nós sabemos que os nossos irmãos e irmãs em Benin e Togo República falam francês, além da língua iorubá. Inglês e Yoruba será obrigatória, e cada aluno deve escolher um dos restantes três idiomas.

3.Department de Medicina Todas as ervas no floral Yoruba e fauna são acreditados para ter sido nomeado e categorizados por Ifá e seu irmão mais novo Osanyin desde tempos muito antigos. No Departamento de Medicina, vamos dedicar a nossa atenção para o estudo das práticas médicas indígenas, terapêutica e pharmacopia. O tempo vai ser dedicado à identificação de folhas medicinais, raízes e cascas de árvores, a preparação e administração de diferentes formas de medicamentos e como diagnosticar e tratar doenças na forma Africano indígena. O Ààreèsègùn, chefe Medicine Man eleito por toda a comunidade de curandeiros indígenas, irá desempenhar o papel principal neste departamento.

4.Department de Artes Cênicas do Departamento de Artes Cênicas vamos ensinar a música ea dança associada a Ifá na África Ocidental e na Diáspora Africano, como a música bata, música dundun e música feita a partir de gongos de ferro chamado agogô, o que é o passo de dança mais favorito dos Babalawos e Iyanifas. A formação teórica será complementada por apresentações ao vivo reais e instrução fornecidos por especialistas locais nas respectivas artes.

5.Department de Tecnologia Indígena Neste departamento, que incidirá sobre os mecanismos, máquinas, ferramentas e materiais necessários para a produção de beadworks, obras de metal / serralheria, cabaça-escultura, preparação de índigo matérias corantes e outros produtos têxteis indígenas . A tecnologia informática e design também será uma parte importante dos currículos.






 Professor Wande Abimbola é presidente e fundador do Instituto do Patrimônio Ifá. Ele serviu como vice-chanceler (Presidente), da Universidade de Ife (agora Obafemi Awolowo University)





 Wande Abimbola
O Babalawo respeitado um discurso na Conferência Mundial de Religiosos no Vaticano.


 Nascido na cidade histórica de Oyo, o aWise vem de uma longa linhagem de portadores da tradição. Seu falecido pai, Abimbola Iroko, um veterano da I Guerra Mundial e um caçador de renome cujas façanhas valente ainda estão sendo comemorado pelos artistas IJALA, foi o Asipade (Líder da Comunidade Ogun) de Oyo, até sua morte em 1971. Sua falecida mãe, Sangodayo Ifagbemisola Awele, um sumo sacerdote de Sango, viveu mentalmente e fisicamente bem até que ela partiu da Terra em 1987 com a idade de 109.
Wande Abimbola recebeu seu primeiro diploma em História pela University College, Ibadan, em 1963, quando era uma faculdade da Universidade de Londres. Ele recebeu o grau de Mestre em Lingüística pela Universidade Northwestern, Illinois, EUA, em 1966, e seu Ph.D. em iorubá Literatura em 1970 pela Universidade de Lagos. Ele se tornou um professor cheio de Línguas e Literaturas Africanas da Universidade de Ife, em 1976.

Formação acadêmica do aWise está muito enraizado na tradição oral. Ele era um aprendiz em Ifa cânticos e rituais antes de começar a educação formal na idade de 12. The aWise Agbaye ensinado em três universidades nigerianas, nomeadamente a Universidade de Ibadan 1963-65, Universidade de Lagos 1966-72, e da Universidade de Ife 1972-91. Ele também ensinou em várias universidades nos EUA, incluindo a Universidade de Indiana, Amherst College, Universidade de Harvard, da Universidade de Boston, Universidade de Colgate, e da Universidade de Louisville.


 Livros (autor e editor)

Wande Abimbola, Ifa repararão nosso mundo quebrado (AIM Livros, Boston, 1997).
Wande Abimbola, Ifa Adivinhação Poesia (NOK Publishers, New York, 1977).
Wande Abimbola, Ifa: Uma Exposição de Ifa Literary Corpus (Oxford University Press, Ibadan, 1977).
Wande Abimbola, awon Oju Odu Mereerindinlogun (University Press Limited, Ibadan, 1977).
Wande Abimbola, Dezesseis Grandes Poemas de Ifá (UNESCO, Niamey, 1975).
Wande Abimbola (ed), Yoruba Tradição Oral (University Press Limited, Ibadan, 1975).
Wande Abimbola, (ED) Yoruba Idioms (Pilgrim Livros, Lagos, 1969).
Wande Abimbola, Ijinle Ohun Enu Se, Apa Keji (Collins, Glasgow, 1969; reimpresso, University Press Limited, Ibadan, 1976 e 2006.)
Wande Abimbola, Ijinle Ohun Enu Ifa Apa Kini (Collins, Glasgow, 1968; reimpresso, University Press Limited, Ibadan, 2006).
Artigos de revistas e capítulos de livros
Wande Abimbola, "Religião, Ordem Mundial e Paz: uma Perspectiva Africano Indígena", em Crosscurrents, Religião e as Nações Unidas, vol. 60, Issue 3, 2010, (pp. 307-309).
Wande Abimbola, "Mestre Didi, Alapini, eo Futuro da Afro-Atlântico Civilização", em Criatividade Amago Das Diversidades Culturais: A Estética do Sagrado, Juana Elbein Santos (ed.), Communitatis Mundi / SECNEB, Salvador, Bahia, 2010.
Wande Abimbola, "A Bag of Wisdom: Osun e as origens da Ifa Adivinhação", em Osun através das águas, J. Murphy e M. Sanford (ed.), Indiana University Press, Bloomington, Indiana, 2001.
Wande Abimbola, "A contribuição da África Antiga para Religiosa, Literárias e Pensamento Filosófico: O Ifa Adivinhação Corpus da África Ocidental como um Estudo de Caso", Palestra Inaugural, da Universidade de Boston, Boston, Novembro de 1997.
Wande Abimbola, "Imagens de Mulheres no Ifa Literary Corpus", em Queens, Rainha das Mães, Sacerdotisas e Poder: estudos de caso em Sexo Africano, Flora ES Kaplan (ed.), Anais da New York Academy of Sciences, vol. 8, 1997, (pp. 401-413).
Wande Abimbola ", Ifa: Um Sistema Oeste Africano Cosmológica", Religião em África: experiência e expressão, Thomas D. Blakey, et. ai. (Eds.), James Currey, Londres e Heinemann, Portsmouth, vol. 4, Série de Monografias do David M. Kennedy Center for International Studies, 1994 (pp. 100-117).
Wande Abimbola ", Lagbayi, o Itinerante Woodcarver de Ojowon," The Artist Yoruba, Rowland Abiodun et. ai. (Eds.), Smithsonian Institution Press, Washington e Londres, 1994 (pp.137-142).
Wande Abimbola, "Sigilo e Objetividade na Metodologia de Ifá adivinhação", (com Barry Hallen), em Segredo: Arte Africano que esconde e Reaveals, Museu de Arte Africano, New York, 1993.
Wande Abimbola, "descolonizar Africano Pensamento", na Tradição e Desenvolvimento em África Hoje, Introdução à Cultura Africano: 8, UNESCO, Paris, 1990, (pp. 15-22); reimpresso 2004 e 2006.
Wande Abimbola, "The Concept of Destiny em Religião Tradicional Africano", Ogun Fórum Estadual de Serviço Público, Abeokuta, Nigéria, de março de 1988.
Wande Abimbola, "Unificação das Religiões do Mundo: The View Point Africano", em Ensaios em Honra de SC Kim, Andrew Wilson (ed.), The Edwin Mellen Press, Lewinton e Queenston, EUA, 1987.
Wande Abimbola, "Uma Avaliação de Sistemas de africanos do Pensamento", as artes e Civilização do preto e africanos Povos, vol. 2, Black Civilização e Filosofia, Terceiro Press International, Lagos, na Nigéria, 1986, (pp. 11-30).
Wande Abimbola, "A noção de sacrifício em iorubá Religion", em Restauração do Reino, Dean Williams Ferm (ed.), Paragon House, New York, 1984.
Wande Abimbola, "A contribuição da diáspora Blacks para o Desenvolvimento e Preservação da Religião Tradicional Africano nas Américas", em culturas Africaines, Documentos de la Reunion d'Experts sur les aportes culturas des Noirs de La Diaspora a l'Afrique, (UNESCO ), 1983 (pp. 79-89).
Wande Abimbola, "Notas sobre Coleta, Transcrição, Tradução e Análise da Literatura Oral Yoruba", Yoruba Língua e Literatura, A. Afolayan (ed.), UPL, Ibadan, 1982.
Wande Abimbola ", duas linhagens de Yoruba entalhadores: Evidências da Literatura Oral em Artes Visuais da África", o papel dos afro-americano Folclore no Ensino das Artes e Humanidades, AL Seward (ed.), Indiana University Press, Bloomington, IN, 1978, (pp. 283-293).
Wande Abimbola "iorubá tradicional religião", contemplação e ação em Religiões do Mundo, Yusuf Ibish e Ileana Marculescu (ed.), University of Washington Press, Seattle e Londres, 1978 (pp. 218-243).
Wande Abimbola, "The Study of Yoruba Literatura", aula inaugural, Série 24, da Universidade de Ife, Ile-Ife, 1977.
Wande Abimbola, "O Sistema de adivinhação Ifa", Nigéria Magazine: Especial Festac Edition, n º s 122-123, Lagos, 1977.
Wande Abimbola, "O Pensamento Sistema Yoruba", The Theosophist, vol. 38, n. 8-9, maio e junho de 1977, Adyar Madras, Índia, (pp. 54-61, 83-90).
Wande Abimbola "iorubá tradicional Religião no Brasil: Problemas e Perspectivas", Actes du Congresso Internacional Des Americanistes, Paris, 1976 (pp. 620-639).
Wande Abimbola ", Elision Consoante em iorubá" (com Olasope Oyelaran), Estudos da Linguagem da África 16, 1975 (pp. 37-60).
Wande Abimbola ", Iwapele: O Conceito Iorubá de bom caráter" em iorubá Literatura Oral, Wande Abimbola (ed.), Universidade de Ibadan Press, Ibadan, 1975.
Wande Abimbola, "O Conceito Yoruba da Personalidade Humana", em La Notion de Personne en Afrique Noir, CNRS, Paris, 1073, (pp. 41-62).
Wande Abimbola, "a literatura do Ifa Cult", Fontes de Yoruba História, SO Biobaku (ed.), Oxford Universty Press, Ibadan, 1973 (pp. 41-62).
Wande Abimbola ", Ifa adivinhação Poemas e da vinda do Islã para Yorubaland", Revista Pan-Africano, iv / 4, Nova Iorque, 1972.
Wande Abimbola, "Repetition estilística em Ifa Adivinhação Poesia", Lagos Notas e Registros, 3/1, 1971, (pp. 38-53).
Wande Abimbola ", Yoruba poesia oral", Introdução à Literatura nigeriano, Bruce King (ed.), Evans, Ibadan, 1971 (pp. 12-23).
Wande Abimbola, "Burial of the Dead Entre os iorubás", Anais do Seminário de Estudos Africano equipe da Universidade de Lagos, 1970, (pp. 98-144).
Wande Abimbola: "Um capítulo da Segunda Odu de Ifá", Orfeu Negro, 2/2, 1969 (pp.7-12).
Wande Abimbola ", Ifa como um corpo de conhecimento e como uma disciplina acadêmica", Lagos Notas e Registros, 2/2, 1968 (pp. 30-40).
Wande Abimbola ", Ifa adivinhação Poemas como fontes de evidência histórica", Lagos Notas e Registros, 1/1, de junho de 1970, (pp.11-20).
Wande Abimbola, "O Ese de Ifá", Notas africanos, 2/3, Instituto de Estudos Africanos da Universidade de Ibadan, Ibadan, 1965 (pp.12-17).
Wande Abimbola, "O lugar de Ifá em iorubá tradicional religião", Notas africanos, 2/2, de janeiro de 1965.
Wande Abimbola, "As Ruínas de Oyo Divisão", observa africanos, 2/1, de outubro de 1964.
Wande Abimbola, "O Odu de Ifá", Notas africanas, 1/3 de 1964, (pp.6-12).
 
 

quarta-feira, 26 de março de 2014

CRIANÇAS NA GUERRA, VITIMA E RÉU




No mundo, milhões de crianças lutam em guerras e conflitos armados. Muitos deles, meninas e meninos, se encontram espalhados pela América Latina, África, Ásia e também na Europa. A maioria das crianças-soldado encontra-se no continente africano. Segundo dados estimativos das ONU, existem mais de 100.000 crianças que atuam como soldados, sobretudo em Uganda, Libéria, República Democrática do Congo e Sudão. A Kindernothilfe é membro da aliança Coordenação Alemã de Combate ao Recrutamento de Crianças-soldado (Deutsche Koordination Kindersoldaten) e engaja-se contra a utilização de crianças em conflitos armados e, além disto, apoia projetos de assistência a ex-crianças-soldado.

Atualmente, existem cerca de 20 conflitos armados, nos quais crianças e adolescentes são aliciadas e obrigadas a fazerem parte, às vezes, de exércitos nacionais, e também de forças ou grupos armados. Muitos desses jovens são recrutados à força, outros se alistam voluntariamente, porque quase não veem ou não têm outra alternativa de não participar da guerra. Os motivos deste suposto "voluntariado" são a falta de ocupação ou formação profissional e o desejo de escapar à violência no próprio ambiente familiar. A vingança também é fator que impulsiona o alistamento voluntário de crianças e adolescentes devido a perda de um ente querido em consequência de conflitos armados ou guerras.

Abuso sexual
A vida de crianças-soldado é dura e perigosa, pois geralmente atuam como mensageiras, carregadoras, espiãs, e, muitas vezes, também precisam transportar explosivos e aprender a manejar pistolas, fuzis e metralhadoras. As meninas frequentemente são obrigadas a satisfazerem os desejos sexuais de soldados nos acampamentos. As crianças-soldado não são somente vítimas em conflitos armados, elas também são, ao mesmo tempo, réus e rés. Como prova de "dureza", muitas vezes, são obrigadas, sob pena de morte, a assassinar amigos e membros da própria família.








terça-feira, 10 de setembro de 2013

GRUPOS E TRIBOS



 Grupos e tribos


O vasto continente da África é tão rico e diversificado em é cultura com isso mudando não apenas de um país para outro, mas dentro de um país que encontram-se muitas culturas diferentes.

Muita atividade cultural da África em centros da família e o grupo étnico. Arte, música e literatura oral servem para reforçar os padrões religiosos e sociais existentes. A minoria ocidental e, influenciada pela cultura europeia e Cristianismo, primeiro rejeitou a cultura tradicional africana, mas com a ascensão do nacionalismo Africano, ocorreu um renascimento cultural. Os governos da dança nacional adotivos mais africana de nações e grupos de música, museus e num grau menor, artistas e escritores.

África foi o berço da espécie humana entre 13 milhões de anos atrás. Hoje, a grande maioria dos seus habitantes é de origem indígena. Pessoas em todo o continente são extraordinariamente diversas por praticamente qualquer medida: falam um vasto número de diferentes línguas, prática centenas de diferentes religiões, vivem em uma variedade de tipos de habitações e envolver-se em uma ampla gama de atividades econômicas.

Ao longo dos séculos, os povos de outras partes do mundo migraram para a África e lá se estabeleceram. Historicamente, os árabes foram os imigrantes mais numerosas. Começando no século VII d.c., eles cruzaram no norte da África, do Médio Oriente, trazendo a religião do Islã com eles. Um movimento posterior dos árabes em África Oriental e Central ocorreu no século XIX. Os europeus que primeiro se estabeleceram na África no meados do século XVII perto do cabo da boa esperança, no extremo sul do continente. Mais europeus imigraram durante o período colonial subseqüente, particularmente a atual África do Sul, Zimbábue e Argélia. Sul-asiáticos também chegaram durante a época colonial. Seus descendentes, muitas vezes referidas como índios, encontram-se em grande parte em Uganda, Quênia, Tanzânia e África do Sul.



Há muitas pessoas de diferentes grupos e tribos em todo o continente de África - com sua cultura, variando de tribo para tribo.






AFAR
 

Os afares vivem principalmente nas áreas de Djibuti, Eritréia e Somália no chifre da África e Etiópia.
 


ACREDITA- EWE

O povo acredita-Ewe é hoje no canto sudeste da República de Gana. Eles se estabeleceram aqui por volta de 1474 depois de escapar de seu passado em casa de Notsie.
 


AMHARA

O Amhara são um grupo étnico politicamente e culturalmente dominante da Etiópia. Eles estão localizados principalmente no planalto central das terras altas da Etiópia e compreendem o elemento de maior população nas províncias de Begemder e Gojjam e em partes da Shoa e Wallo.
 


ASHANTI

O Ashanti vive no central de Gana na África Ocidental, cerca de 300 km da costa de. O Ashanti é dos principais grupos étnico dos Akans em Gana, um país relativamente novo, pouco mais de 50 anos de idade.
 


BAKONGO

O povo Bakongo (aka. o Kongo) habitam ao longo da costa atlântica da África, desde Pointe-Noire, Congo (Brazzaville) para Luanda, Angola.
 


BAMBARA

Os Bambara são um grande grupo mandê racial localizado principalmente no país de Mali. Eles são um grupo maior e mais dominante naquele país.
 


BEMBARA

O Bemba estão localizados na parte nordeste da Zâmbia e são o maior grupo étnico na província do norte da Zâmbia.
 


BERBERE

Berberes viveu na África desde o primeiro tempo gravado. Referências datam de 3000 AC. Existem muitas tribos dispersados de Berber em Marrocos, Argélia, Tunísia, Líbia e Egito.
 


BOBO

O Bobo peple viveram em Burkina Faso e Mali ocidental durante séculos. Eles são conhecidos por suas máscaras que são usadas com roupas elaboradas para as celebrações. Principalmente agricultral pessoas cultivam também o algodão que eles usam para trocar com os outros.
 


BOSQUIMANOS/SAN

Os 'bosquímanos' são os mais antigos habitantes da África Austral, onde viveram durante pelo menos 20 mil anos. Sua casa é a vastidão do deserto do Kalahari.
 


CHEWA

A Chewa, também conhecido como o Cewa ou Chichewa é uma cultura africana que existe desde o início do primeiro milênio, A.D. Eles estão localizados principalmente na Zâmbia, Zimbabwe, com a maior parte da população no Malawi.
 


DONGO

Os Dogon são um povo de ruínas que vivem no sudeste do Mali e Burkina Faso. Entre os grupos de pessoas na África são únicas, em que eles têm mantido e continuou a desenvolver sua própria cultura, mesmo em meio as invasões islâmicas que têm conquistado e adaptou muitos dos grupos de pessoas atual
 


FANG

O Fang é especialmente conhecido por suas figuras de guardião que eles ligados às caixas de madeira contendo ossos dos antepassados. Os ossos, por tradição, são ditos conter o poder da pessoa morta, na verdade, a mesma quantidade de energia que a pessoa tinha enquanto ainda está vivo.
 


FON

A Fon do Benin, originalmente chamado Daomé até 1975, são da África Ocidental. Fon é dito ter originado na zona de Tado, uma cidade em Tedesco, em aproximadamente a mesma latitude Abomey, Benin.
 

Localização: A Fon do Benin, originalmente chamado Daomé até 1975, são da África Ocidental. Fon é dito ter originado na zona de Tado, uma cidade em Tedesco, em aproximadamente a mesma latitude Abomey, Benin.

História: A cultura Fon é composta de mais de 2.000.000 pessoas. Eles estão intimamente relacionados às culturas Ewe, Adja e Guin por comparação da linguagem. Eles pertencem ao grupo de línguas Kwa. Fon criou a cidade real de Abomey e Ouidah. Essas duas cidades eram populares para o comércio de escravos. Fons tornou-se próspero, pelo comércio de escravos para as armas dos europeus. Agora, a guerra e o tráfico de escravos são de pouca importância em comparação com uma família e antepassados.

Fon muitos é cristãos, mas a maioria continua a prática vodu. O nome de Fon para Deus ou espírito é Vodu. Adoração de um Vodu muitas vezes significa um iniciar sendo "possuída" ou "capturado" pelo espírito que ele escolhe ou o espírito que pode escolhê-lo. Para o resto de sua vida, ele irá procurar o Conselho do espírito que "possuía". Uma parte popular da crença Fon é que cada clã é dito ser um descendente de um ancestral de não-humanos parte parte humana. A Fon... não acredito em um Deus todo-poderoso de separado.

Vida diária: Fon vive em aldeias e cidades onde eles formam grandes parcelas da população. Eles vivem nas seções divididas, que são separadas por uma relação com um ancestral masculino específico. Os compostos (casas) são retangulares em forma com paredes feitas de barro seco e telhados de frontão abrangidos pelo ferro ondulado. Quando um homem e uma mulher se casar, eles se moverá para viver perto do pai do noivo e herdar sua propriedade. Homens Fon podem ter mais de uma esposa, mas se esse privilégio é abusado, a mulher é livre para se divorciar e casar de novo. O divórcio é bastante comum em toda a cultura. Um homem não deve recusar uma mulher que lhe é oferecida e divórcio só pode ser concedido se a família da mulher inicia uma solicitação.

Fon é agricultores, pescadores e as mulheres do mercado. Divisão do trabalho é categorizado por sexo. Mulheres fazem material para construir cabanas, cuidar de carne massacrado e realizar a maior parte do trabalho agrícola. Eles são também responsável pelo funcionamento do mercado. Homens e mulheres igualmente participarem na vida dos seus filhos. Embora a mãe, pai e avós levam partes activas na criação de seus filhos, irmãos mais velhos se especialmente cuide deles. Anciãos e os pescadores muitas vezes sentam e jogar jogos de tabuleiro e dança com os jovens.

Os funerais na cultura são a parte mais importante da história de um membro. Bateristas são contratadas e danças podem ser realizadas por dias seguidos de manhã a morte de um ente querido. Os Fons acreditam que parte da pessoa se perde na morte, mas o outro é reencarnado e volta na alma da próxima criança nascida na família.

Características mais conhecidas: A cultura Fon é conhecida para suas cerimônias religiosas. Tambores são sempre utilizados como uma espécie de significado especial em cada atividade que se realiza. Cerimônias vodu geralmente começam com o tocar dos tambores e depois um iniciado vai cair em transe e "possuído" por um espírito. Vodu eventos não são apenas intrigantes aos membros, mas também pessoas de fora.


FULANI


O povo Fulani da África Ocidental é o maior grupo de nômade do mundo, principalmente os pastores nômades e comerciantes. Através de seu estilo de vida nômade, estabeleceram-se numerosas rotas de comércio na África Ocidental.
 


IBOS

de nigeriano os Ibos vivem em aldeias que tem em qualquer lugar de algumas centenas a alguns milhares de pessoas compostos de inúmeras famílias extensas.
 


KIKUYU(KIKUYU)

Os Kikuyu tendo migrado para sua localização atual, há cerca de quatro séculos, agora compõem maior grupo étnico do Quênia.
 


MAASAI

Os Maasai, famosos como pastores e guerreiros, uma vez dominado as planícies da África Oriental. Agora, no entanto, eles estão confinados a uma fração do seu antigo alcance.
 


MANDINKA

Os mandingos são um grupo étnico que vive no oeste da África, principalmente o Senegal, Gâmbia, e Guiné-Bissau, mas alguns também vivem em Burkina Faso, Mali e Cote d'Ivoire.
 


PIGMEUS


Existem muitos diferentes povos 'Pigmeu' – por exemplo, o Bambuti, o Batwa, o Bayaka e o Bagyeli ('Ba-' significa 'povo') – que vivem espalhadas por uma enorme área na África central e ocidental, na República Democrática do Congo (RDC), Congo (Brazzaville), República dos Camarões, Gabão, República Centro-Africana, Ruanda, Burundi e Uganda.
 


SAMBURU

O Samburu estão relacionados com os Masai, embora eles vivem apenas acima da linha da Equador onde se fundem o sopé do Monte Quênia para o deserto do Norte e ligeiramente ao sul do Lago Turkana, província do vale do Rift, no Quênia.
 


SENUFO

O Senufo são um grupo de pessoas que vivem no norte da costa do Marfim e Mali. Eles são conhecidos como excelentes agricultores e são constituídos por um número de diferentes grupos que mudou-se a sul de Mali e Costa do Marfim nos séculos 15 e 16.
 


TUAREG

O povo Tuareg é predominently povos nômades do Saara atinge de deserto, principalmente no norte de Mali, perto de Timbuktu e Kidal.
 


WOLOF

O Wolof são um dos maiores grupos de pessoas que habitam o Senegal de moderno-dia. Eles vivem em qualquer lugar da área de deserto do Saara para as florestas tropicais. Wolof tradicionalmente muitos vivia em pequenas aldeias, governadas por uma unidade de família alargada, mas agora a maioria dos Wolof mover para cidades onde eles são capazes de conseguir empregos.
 


YORUBA

O povo Yoruba vive no sudoeste da Nigéria e Benin. Eles desenvolveram uma variedade de diferentes formas artísticas, incluindo cerâmica, tecelagem, metalurgia e fabricação de máscara. A maioria das obras de arte é feita para honrar os deuses e ancestrais e uma vez que existem mais então 401 deuses conhecidos para os Yoruba há muita escultura e obras de arte feitas. Devido à vastidão do número de deuses, os Yoruba foram comparados com os gregos antigos, no montante de deuses e as semelhanças entre as estruturas dos deuses.

O Yoruba começaram a tornar-se bastante popular entre os africanos em todo o mundo que se dizem os Yoruba como suas raízes familiares e siga a religião e a cultura dos Yorubas. Muitos afirmam que eles são parte da diáspora dos Yorubas como escravos.

O Yoruba originada-se um povo conhecido como o Oyo que surgiu e se tornou bastante popular por sua negociação com o Portugues que lhes deu uma grande carga de armas. No entanto, eram incapazes de adiar os fulas que eles invadiram e muito dos Yorubas empurraram para o sul. No final de 1800, o Yoruba formou um tratado com os fulas e em 1901, eles foram colonizados pelos britânicos. Por causa de sua inimizade com os fulas que são os grandes evangelistas Islã maioria dos Yorubas não segure ao Islã mas em vez disso muitos deuses e espíritos que o Yoruba prendem à adoração. Economicamente os Yoruba principalmente envolver-se na agricultura, com cerca de 15% das pessoas empregadas como comerciantes ou artistas e artesão.

Uma das características que tornam os Yoruba única é a sua tendência para formar-se em grupos de cidade grande em vez de grupos de pequena vila. A maioria das grandes cidades da Nigéria e Benin é habitada quase exclusivamente por Yoruba.
 


ZULU

Os Zulus são o maior grupo étnico na África do Sul. Eles são conhecidos por suas belos grânulos coloridos e cestas, bem como outros pequenos relevos.